Projetos de Extensão da UNILAB e UFC realizam mapeamento da fome no Grande Bom Jardim

Na última sexta-feira, 20 de maio, a Organização da Sociedade Civil Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza (CDVHS), em parceria com a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), através do Projeto de Extensão Diálogos Urbanos, coordenado pelo professor doutor Eduardo Gomes Machado, e com a Universidade Federal do Ceará (UFC), por meio do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Geografia da alimentação (NUPEGA), representado pela professora doutora Iara Gomes, lançou o projeto de pesquisa Mapa Participativo de Enfrentamento à Fome do Grande Bom Jardim.

O projeto de pesquisa, de caráter extensionista, participativa e comunitária, foi apresentado na Roda de Diálogo Projeto Mapa Participativo de Enfrentamento à Fome do Grande Bom Jardim, primeiro evento público da pesquisa, que teve como objetivos: a) apresentar formalmente o projeto aos sujeitos de pesquisa; b) promover o engajamento cívico e assentimento de participação, através de assinatura de termos de consentimento e cessão de direitos de uso de dados e registros; c) definir coletivamente o calendário das atividades de coleta de dados e de planejamento das recomendações; d) pactuar ações emergenciais solidárias em rede de arrecadação de recursos para viabilizar produção e a distribuição de alimentos a curtíssimo prazo.

Participaram do evento a Escola Gastronomia Autossustentável do Movimento de Saúde Mental do Bom Jardim, a Cozinha Social AMBJUNIDAS da Associação de Moradores do Bom Jardim, a cozinha comunitária da Associação Espírita de Umbanda São Miguel, a cozinha social do Instituto Maria do Carmo, a cozinha comunitária do CEPEC Pé no Chão, a cozinha comunitária do Projeto Irmão Sol, Irmã Lua, a Cozinha SOS PERIFERIA, a Cozinha Solidária e Criativa Criart, a Cozinha Social da Associação Comunitária dos Moradores do Parque Nazaré, a Associação de Catadoras e de Catadores do Bom Jardim (ASCABONJA). Justificou a ausência a cozinha comunitária da Comunidade do Bem-Viver da Sagrada Família, na paróquia do Canindezinho; a cozinha comunitária Fábrica do Bem; a cozinha social da Paróquia de Santa Cecília; a Cozinha Cultura Solidária, da Associação Cultural Afoxé Omõrisà Odè; as cozinhas sociais do Movimento de Trabalhadores Sem Teto (MTST); e a Cozinha Comunitária da Paróquia Santa Paula Frassinetti.

Com o argumento, “quem tem fome, tem pressa”, as lideranças das cozinhas comunitárias presentes decidiram criar em parcerias com os projetos de extensão co-realizadores da pesquisa uma campanha de arrecadação solidária de fundos, através das redes sociais, com criação e divulgação de chave pix. Os recursos arrecadados serão convertidos na aquisição de insumos, que serão distribuídos entre as 14 cozinhas mapeadas e os alimentos produzidos partilhados comumente em comunidades atendidas pelas entidades presentes participantes. Representante do Projeto Irmão Sol, Irmã Lua disponibilizou-se para mediar contato com técnico da organização IPREDE para sondar possibilidade de doações de insumos e ou alimentos.

Ao final, cada cozinha comunitária presente definiu calendário para recebimento de visita dos pesquisadores em sua unidade, compreendendo o intervalo de tempo entre 23 de maio e 10 de junho, e também pactuou o calendário geral das atividades.

O evento, além de tornar público, partilhado e coletivizado o projeto de pesquisa também contribui para o fortalecimento de um processo de incubação da rede de cozinhas comunitárias do Grande Bom Jardim e promove a narrativa do território GBJ como reduto das cozinhas sociais na cidade de Fortaleza. O coletivo decidiu criar um grupo virtual em aplicativo popular de mensagens instantâneas.

O projeto de pesquisa terá como produto o Mapa Participativo de Enfrentamento à Fome, das Cozinhas Comunitárias e da Agroecologia Urbana no Grande Bom Jardim. O objetivo central do projeto é elaborar participativamente o Mapa do Enfrentamento à Fome do Grande Bom Jardim (GBJ), fundamentando e fomentando a elaboração e a execução de ações e de políticas públicas de segurança alimentar e nutricional para o território.

O mapeamento da fome será realizado por pesquisa qualitativa direta em processo participativo de coleta, de leitura comunitária e análise técnica colaborativa em interlocução aos agentes sociais de 14 cozinhas comunitárias locais, de assentamentos precarizados subnormais, de comunidades integrantes à Zona Especial de Interesse Social (ZEIS) Bom Jardim e às catadoras e catadores associados à ASCABONJA.

Cronograma

Entre 23 de maio e 10 de junho serão realizadas visitas exploratórias de campo para imersão aos equipamentos comunitários que serão mapeados; nos dias 17 e 24 de junho serão realizadas as duas oficinas de leitura comunitária de coleta de dados; no dia 15 de julho será realizada uma roda de diálogo para apresentação preliminar de resultados e construção coletiva de recomendações de políticas públicas; e no dia 29 de julho está previsto o seminário final para apresentação dos resultados de pesquisa e recomendações à sociedade civil e política.

Além destas ações de coleta e de pactos, serão realizadas pesquisas secundárias de dados, trabalhos técnicos de geoprocessamento de dados e espacializações de informações e análise de resultados e consolidações.  A pesquisa sobre a fome no Grande Bom Jardim será realizada nos meses de maio e junho de 2022, envolvendo quatro jovens pesquisadores sociais, Moisés Tavares, Geyse Anne, Eduardo Marques e Raquel Vieira, para processos de mobilização social e coleta direta de dados qualitativos, sendo dois estudantes da Unilab,  Moisés Tavares (Guiné Bissau) e Geyse Anne, e dois jovens moradores do território GBJ, Eduardo Marques e Raquel Vieira, com incidências e engajamentos em coletivos culturais e juvenis locais.

Além destes, compõem a equipe de pesquisa Eduardo Machado, Professor UNILAB, Coordenador Diálogos Urbanos/Unilab; Iara Gomes, Professora UFC, Coordenadora NUPEGA/UFC; Regina Balbino, Doutoranda em Geografia/UFC e membro Diálogos Urbanos/UNILAB. Adriano Almeida, Coordenador da Pesquisa, Defensor Direitos Humanos e Sociólogo. E no apoio técnico Rogério Costa e Nícolas Gonçalves, ambos do CDVHS.

O projeto prevê a geração dos: Relatório/Mapa Participativo De Enfrentamento à Fome no Grande Bom Jardim; Processo Participativo com engajamento cívico; Construção coletiva de demandas, de proposições e de recomendações gerais; Produção e publicação de artigo científico e/ou relato de experiência. Ao final, será realizada um seminário de interlocução com movimentos sociais ampliados para apresentação de resultados à sociedade e pacto político para acolhimento pela sociedade política e implementação das recomendações em caráter de políticas públicas.

2 comentários em “Projetos de Extensão da UNILAB e UFC realizam mapeamento da fome no Grande Bom Jardim”

  1. Elis Regina Silva e Silva

    É muito importante esse tipo de trabalho em nossa comunidade, eu parabenizo todos que estão engajado nessa ação contra a fome

  2. Verônica Maria de Souza Dilva

    É um um projeto que engaja a área acadêmica a vida real vulnerável da região escolhida. O resultado trará maior efetividade de políticas públicas para o crescimento econômico ao Grande do Bom Jardim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *