PROTAGONISMOS JUVENIS

Dando continuidade a diversas iniciativas pela melhoria da educação no Grande Bom
Jardim, desde o ano de 2021, duas Organizações da Sociedade Civil (OSC), se uniram em prol do
bem-viver, nessa periferia empobrecida na cidade de Fortaleza. São elas, o Centro de Defesa da
Vida Herbert de Souza (CDVHS), o Instituto Unibanco (IU) – em parceria e aporte financeiro – e
apoio da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC).Estas instituições estão
promovendo ações que objetivam o fortalecimento da educação pública no território do Grande
Bom Jardim (GBJ).

Jovens da EEM Santo Amaro constroem propostas para o Projeto Político Pedagógico
POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR A PARTIR DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO(PPP).

INSPIRAÇÕES

Olhares sobre a escola que temos e a escola que queremos na EEMT Senador Osires Pontes

Os esforços coletivos em prol da melhoria da educação pública em regiões como essa,
trouxeram desafios, mas também potencialidades que produziram possibilidades de ação em busca
da transformação social. Para lograrmos êxito nesses primeiros passos, além do comprometimento
ético e político individual, atuamos em colaboração com o propósito de atenuação dos impactos da
violência urbana no contexto escolar e na vida das juventudes, com ênfase no acesso e na garantia
dos direitos humanos, mas, principalmente na perspectiva de uma educação libertadora e
transformadora das realidades, tarefa mediada a partir da crença e potencialização da consciência
crítica e do protagonismo juvenil, como sugeriu Paulo Freire.

” construção participativa, coletiva e democrática”- Discussões na EEMTI Jociê Caminha de Menezes

Neste processo de construção e fortalecimento da comunidade escolar à partir de boas
práticas educacionais, há dois caminhos traçados ou pilares fundamentais que o projeto destaca em
seu escopo. O primeiro é o desenvolvimento de uma pesquisa no GBJ, objetivando compreender de
que maneira a violência urbana impacta no desenvolvimento psicossocial, socioemocional e
pedagógico das juventudes locais para operacionalizar alternativas. O segundo pilar, trata-se de uma
proposta que está sendo realizada em Escolas estaduais da região, no intuito de fortalecer e ampliar
processos de protagonismos juvenis em suas respectivas instituições educacionais, bem como,
propor alternativas, a partir dos e das estudantes, na construção participativa, coletiva e democrática
dos projetos políticos pedagógicos (PPP).

AMPLIFICAR AS VOZES

Participação de estudantes da EEM Professora Eudes nas oficinas de construção dos PPP’s

No que tange aos PPP das Escolas, foi instituído obrigatório em 1996 pela Lei de
Diretrizes e Bases da Educação, é documento norteador de nossa incursão e produção das oficinas,
trata-se de um importante balizador dos processos, princípios, diretrizes e ações de cada escola,
influencia nos métodos e práticas pedagógicas que envolve a escola e a comunidade. Sua
característica de devir político-pedagógica infere que os processos devem ser constituídos por meio
da participação democrática envolvendo toda comunidade escolar, ou seja, além da gestão da
Escola, os e as estudantes, seus pais, mães ou demais responsáveis legais.

Com esse intuito, entre os meses de junho a agosto deste ano, foram realizadas seis
oficinas sobre PPP em Escolas estaduais, localizadas no território do GBJ. Estes momentos foram
mediados pelo Psicólogo, doutorando, pesquisador e colaborador do CDVHS, Jean Borges e pela
jovem Raquel Vieira, poeta, fotógrafa e membro dos Jovens Agentes de Paz (JAP)
, vinculado ao
CDVHS.


“Com a realização destas oficinas nos propomos a potencializar a participação e amplificar as vozes –
muitas vezes silenciadas, não por uma escola específica, mas, pelo peso que o caráter institucional
de poder incide sobre os corpos – de adolescentes e juventudes na construção de projetos, como os
Projetos Políticos Pedagógicos (PPP), sem desconsiderar ações em direção ao respeito à
diversidade, garantia dos direitos humanos, prevenção à violência e aos conflitos.” ( afirma Jean Borges, psicólogo responsável pela elaboração das oficinas.

PERCURSOS

Propostas para o PPP sendo discutidas por estudantes da EEM Santo Amaro.

As oficinas foram realizadas de junho a agosto e alcançaram as seguintes escolas com
a respectiva participação e propostas: a) EEMTI Professor Jociê Caminha de Meneses, onde contou
com a participação de 22 pessoas (20 propostas para o PPP da Escola); b) EEFM Escola São
Francisco contou com a presença de 14 pessoas (21 propostas para o PPP da Escola); c) AEEM
Professora Eudes Veras com 18 participantes (25 propostas para o PPP da Escola); d) EEFM
Michelson Nobre da Silva, a oficina contou com 25 participantes (26 propostas para o PPP da
Escola); e) EEFM Santo Amaro e contou com a presença de 22 participantes (36 propostas para o
PPP da Escola) ; f) EEMTI Osires Pontes e contou com 22 participantes (25 propostas para o PPP
da Escola).

Totalizando 123 juventudes participantes nas seis oficinas com produção de 153
propostas de sugestões aos PPP de suas respectivas escolas, que se colocam para serem apreciadas
quando da elaboração dos PPP nas respectivas escolas. Essa produção revela um potencial e a
tomada de consciência do papel político de cidadãos/ãs jovens. Portanto, as prioridades estratégicas
que o projeto desenvolve visam fortalecer e potencializar as boas práticas educacionais, por meio da
educação pública no território do GBJ, para que essa cumpra seu papel social, político e de
instrumento promotor da dignidade e dos protagonismos para a transformação da comunidade
escolar.

Texto- Jean Borges

Fotos: Raquel Vieira e Jean Borges

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *