2º dia do Festival das Juventudes é marcado por criatividade e protagonismo juvenil

Poesias, esquetes, reggae e produções literárias e muito bate-papo animaram o público do IV Festival das Juventudes. 

Abertura do 2º dia do Festival das Juventudes- Vivências biocêntricas com a terapeuta Cris Alves

O segundo dia do Festival das Juventudes teve como temática ” Ser Jovem Agente de Paz”, reunindo estudantes,  artistas, universitárias/os, lideranças comunitárias e juvenis. A  abertura foi feita por Cristina Alves, terapeuta, educadora e facilitadora de biodança, envolvendo músicas e movimentos corporais as juventudes experimentaram um pouco das vivências biocêntricas. 

Jornalista Simone Faustino falando sobre corpo, adolescências e mídias

A mesa de diálogos  teve  a participação da jovem agente de paz, Megh Coelho que falou sobre a compreensão de paz e justiça social defendida pelas juventudes ativistas do Grande Bom Jardim e da jornalista Simone Faustino,  jornalista e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM-UFC), falando sobre a relação entre corpo, adolescência e mídias. Uma manhã  repleta de aprendizados que contou ainda com as apresentações artísticas  dos estudantes das seis escolas participantes, envolvendo teatro, poesia e reflexões. 

Oficinas Criativas 

Foto da oficina Negritudes e literaturas periféricas com o grupo Artes Insurgentes

No momento da tarde teve oficinas com as participações  das parcerias do Festival, sendo elas:

  • Negritudes e  Literaturas Periférica com Artes Insurgentes;
  • Memórias em Versos: Construindo Cadernos  Afros com Cassiane Nascimento;
  • Mandalas com Veroneide Pires- projeto “Construções Criativas”- Contrapartida do Liderança Jovem;
  • Passinho do Reggae com Jackline Marques, Davi Cardoso e Alana Ribeiro


Ao final da tarde, os grupos compartilharam suas vivências e aprendizados durante o dia, e demonstraram que  a cultura de paz nas periferias  se constrói com respeito, diálogo e luta por direitos. 

O combate é difícil

Mas um dia o fim vai chegar

A violência na escola

Um dia vai acabar

Quem pratica isso

Amor próprio não tem,

Tem coração ruim

E a mente também

Quem passa por violência

Sofre demais

As vezes tem problema em casa,

Problemas com os pais

Chega na escola e a ainda sofre mais?

A violência na escola

No fim vai chegar

Ajude a combater

Para ninguém mais sofrer

E no fim

Todos feliz ficar

Poesia do estudante Gabriel Ferreira – EEMTI Senador Osires Pontes

O IV Festival das Juventudes desse ano acontece nos dias 07 e 21 de maio e nos dias 04 e 18 de junho de 2022 no Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza (CDVHS). Após dois anos sem o evento, a gente volta para movimentar a juventude em prol de uma cultura de paz, reconhecendo os desafios e o contexto dos nossos jovens periféricos.

Texto: Ingrid Rabelo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *