FÓRUM JUSTIÇA CEARÁ E MOVIMENTOS PERIFÉRICOS LANÇAM NOTA SOBRE A LOGÍSTICA OPERACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA COVID-19, EM FORTALEZA-CE

Publicação 09/02/21 12:19; atualização 09/02/21 12:22

Através de Nota Pública, a articulação do Fórum Justiça Ceará, integrando organizações da sociedade civil, movimentos populares, congregações religiosas, defensores de direitos e promotores de justiça, parlamentares, posiciona-se a respeito da logística operacional de vacinação contra covid-19, em Fortaleza - CE.

Fórum Justiça Ceará reivindica mudanças na logística de vacinação.

ENTENDA AS MOTIVAÇÕES DA NOTA PÚBLICA

O Fórum Justiça é espaço aberto a movimentos sociais, organizações da sociedade civil, setores acadêmicos e agentes públicos do sistema de justiça para discutir coletivamente política judicial com redistribuição e reconhecimento de direitos e participação popular, enfatizando a justiça como serviço público.

Em decorrência do retardo do governo federal na aquisição de imunizantes contra a covid-19, em 2020, bem como a decisão de priorizar fabricantes, o país hoje sofre com o diminuto volume de vacinas frente ao tamanho continental de sua população e o aumento da curva epidemiológica em todo o país com o surgimento de novas cepas variantes. O Ceará dispõe de 449.900 doses de imunizantes até o presente momento.

As doses de imunizantes, de somente dois dos fabricantes autorizados pela Agência de Vigilância Sanitária brasileira, CoronaVac e AstraZeneca, começaram a chegar a Fortaleza, na segunda, dia 18 de janeiro, e os órgãos competentes, Secretaria da Saúde do Estado do Ceará e Secretaria Municipal de Saúde, não conseguiram implementar uma metodologia efetiva e eficaz para a operação logística de aplicação destes imunizantes. Neste curto intervalo de tempo, nos dias 25 de janeiro e 03 de fevereiro, por desvios técnico de público e esquemas confusos, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal realizaram duas intervenções junto aos órgão públicos competentes para adequação de recortes prioritários, segundo recomendações do Ministério da Saúde, e exigência de maior transparência do agendamento para a população idosa acima dos 75 anos domiciliada.

Diante deste cenário, o Fórum Justiça Ceará produziu, coletivamente, uma nota pública, que lança ao público neste domingo, 07, com 83 subscrições. O documento será protocolado junto aos órgãos competentes pela política da campanha vacinal contra covid-19 em Fortaleza, Ceará.

DEMANDAS DO FÓRUM JUSTIÇA CEARÁ

Este coletivo articulado solicita, com urgência, a adequação técnica e política desta ação vacinal, com a retomada da metodologia SUS, das campanhas tradicionais de vacinação reconhecidas internacionalmente por sua eficiência e rapidez, com acionamento das equipes das unidades de atenção primária em saúde para inserção direta e simultânea nas micro áreas da saúde de Fortaleza.

Ressalta ainda que não descarta o esquema 'drive thru', que pode ser um caminho suplementar à campanha, inclusive, com postos nas periferias, onde as taxas são maiores. E o esquema das rotas domiciliares precisa ganhar a escala que uma cidade do tamanho de Fortaleza e a emergência pandêmica requerem. Estes dois esquemas podem e devem co-existir, mas como complementos ou suplementos ao modelo SUS.

CONFIRA A NOTA AQUI