COMITÊ POPULAR DE CRISE DA COVID19 DO GRANDE BOM JARDIM REALIZA PRIMEIRA REUNIÃO COM PREFEITURA DE FORTALEZA

Publicação 16/05/20 16:35; atualização 16/05/20 16:37

Nova rodada acontecerá na próxima terça às 15 horas pela plataforma Google Meets. O objetivo do Comitê é desenvolver estratégias conjuntas adicionais visando reduzir vetores de contaminação e disseminação do novo coronavírus, aumentar níveis de proteção social das comunidades e famílias vulnerabilizadas e fortalecer a rede de atendimentos para quem já estiver com a Convid19.

Comitê Popular COVID19 Grande Bom Jardim realiza primeira reunião com Prefeitura de Fortaleza.

OBJETIVO DO COMITÊ POPULAR

O Comitê Popular de Crise da Covid19 do Grande Bom Jardim reúne lideranças de comunidades e de organizações locais que estão atuando como podem para o enfrentamento da pandemia no Grande Bom Jardim. As principais iniciativas são na linha de fortalecer a solidariedade para com as comunidades do território e monitorar as iniciativas públicas, observando os impactos em cada bairro do Grande Bom Jardim.

O acompanhamento dos boletins epidemiológicos da prefeitura de Fortaleza acendeu todos os sinais de alerta, assim com notícias de adoecimento e morte pela Covid19 que chegam cada vez mais perto de nós. Faltava estabelecer canais de diálogo com os poderem públicos para coordenar esforços, apresentar demandas, identificar agravantes e apontar medidas de redução de danos conjuntamente.

REPRESENTANTES DA PREFEITURA NA REUNIÃO

Contando com a mediação e articulação do Instituto de Planejamento de Fortaleza (IPLANFOR) foi realizada a primeira reunião virtual nesta sexta-feira (15 de maio), na metade de um mês crítico em termos do pico da pandemia. Além do IPLANFOR (Diretora de Articulação de Políticas - Juliana Sena; Analista de Planejamento Urbano - Armando Elísio; Assessor Jurídico Haroldo Soares; Gerente das ZEIS Natália Saraiva), a reunião virtual contou a Secretaria de Gestão Regional (secretário executivo Alanderson Mangueira), Célula de Educação Ambiental da SEUMA (Ticiana Costa) e Secretaria Executiva Regional V (Articulação da Atenção Primária em Saúde – Alisson Gomes; Núcleo de Educação em Saúde – Ricardo Lima).

REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL

Pela sociedade civil houve participação de representantes da Rede Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável (Rede DLIS), do Fórum de Cultura do Grande Bom Jardim (Graça Castro e Caio Feitosa), do Ponto de Memória do Grande Bom Jardim (Adriano Almeida), do Espaço Geração Cidadã (Joyce Luz), do Centro de Defesa da Vida Herber de Souza (Lúcia Albuquerque, Benedito Cunha, Íngrid Rabelo, Rogério Costa), da Associação dos Moradores do Bom Jardim Nice Santos), da Campanha Solidária Bom Jardim em Luta (Levi Nunes), do Instituto Katiana Pena (Katiana Pena), da Associação Espírita de Umbanda São Miguel (Miguel Ferreira Neto – Pai Neto). A professora e geógrafa Edivânia Marques não conseguiu participar por problemas técnicos.

INICIATIVAS DA PREFEITURA DE FORTALEZA

A prefeitura apresentou algumas iniciativas já em curso ou realizadas como ampliação dos leitos da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Bom Jardim e instalação de contêiner, a qualificação da Unidade Básica de Saúde (UBS) Maciel de Brito como referência para atendimento de casos de covid19, palestras da equipe de educação em saúde sobre arboviroses nas UBS e escolas, disseminação de orientações via redes sociais, busca ativa de casos suspeitos de covis19 coordenada pelas UBS, higienização das unidades de saúde para desinfecção, vacinação de gripe H1N1 utilizando as escolas municipais, controle de fluxo nas UBS para evitar aglomerações, lotação de 5 médicos nas UBS do Grande Bom Jardim. Afirmou que o teste rápido só é recomendado nos 7 dias iniciais de sintomas e que deve ser feita avaliação clínica complementar e que os casos de descumprimento do decreto de distanciamento social através de aglomerações devem ser notificados na Central Integrada de Operações de Segurança (190) e que existe um Gabinete de Crise da Pandemia instalado na Secretaria Municipal de Saúde.

PREOCUPAÇÕES APRESENTADAS PELO COMITÊ POPULAR

Os representantes do Comitê Popular de Crise por sua vez disseram não sentir de fato a presença da prefeitura nas comunidades nesse momento necessário e que há um distanciamento de iniciativas e falta de canais de interlocução sobre as demandas e desafios agravados pela pandemia, que muitas famílias não conseguiram acesso aos benefícios públicos como o auxílio emergencial e estão desassistidas e em situação grave, que é preciso montar estratégia que reduza a disseminação do novo coronavírus quando um membro da família adoece para não adoecer os demais, planejando as intervenções com acesso e análise de informações epidemiológicas, que é necessário pensar num hospital de campanha para a região do Grande Bom Jardim, já que é sabido que os bairros com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) serão os mais afetados pela covid19, que é preciso tratar de questões como abuso e violência sexual e violência doméstica que vêm crescendo nesse contexto, que é preciso apresentar alternativas de locação social para casos que em as precárias condições de moradia não permitem o cumprimento eficiente da quarentena, que é preciso ampliar a testagem da população, que é preciso direcionar esforços para identificar e tratar adequadamente os casos suspeitos, os vetores de disseminação viral, com ações de desinfectação direcionadas, como por exemplo nos residenciais e comunidades, que é preciso ativar a rede de socioassistência social (CRAS, CREAS, Conselho Tutelar) que deveria estar mais ativa do que nunca, que é preciso colocar nossas inteligências institucionais e coordenar esforços para fazer mais do que o que tem sido feito já que o problema só se agrava.

AGENDA

Todos os participantes concordaram que é preciso continuar esse processo de aproximação e diálogo já que nem todas as respostas são imediatas e simples. Por isso, já ficou agendada uma próxima reunião para o dia 19 de maio, terça feira, as 15h. Nesse momento, além das instituições da prefeitura que já se fizeram presentes, esperamos contar com alguém da área da saúde, dos direitos humanos e do desenvolvimento econômico.