CDVHS LANÇA INFORME DE DIREITOS HUMANOS SOBRE SEGURANÇA PÚBLICA E JUVENTUDES

Publicação 17/12/20 17:46; atualização 17/12/20 17:48

Mantendo o título VIOLAÇÕES DE DIREITOS NO CONTEXTO DA PANDEMIA DA COVID-19 NA PERIFERIA DE FORTALEZA – O CASO DO GRANDE BOM JARDIM – Nº 2, o documento é dedicado a pensar as violações de direitos humanos na área da segurança pública. A pandemia neste caso é a da violência. A consequência é a alta taxa de letalidade, sobretudo entre jovens. O impacto da pandemia na vida das juventudes do Grande Bom Jardim também é destaque neste segundo número do INFORME DH.

EVOLUÇÃO DA LETALIDADE JUVENIL NO GRANDE BOM JARDIM – NEM A PANDEMIA INTERROMPEU A VIOLÊNCIA

A publicação apresenta dados da evolução de homicídios de jovens do Grande Bom Jardim e chega a uma alarmante constatação: maio e abril, meses de maior letalidade no GBJ por Covid 19, coincidem com os meses de maior letalidade violenta entre jovens no Grande Bom Jardim. Nem a pandemia interrompeu o extermínio da juventude. Pelo contrário, em 2020 houve aumento de 55% de mortes violentas de jovens em comparação com o mesmo período de 2019.

O INFORME DH analisa o significado e as consequências da violência e da pandemia na vida das juventudes, tanto para a garantida do direito à vida, à cidade, mas também à educação. Pela voz das juventudes, o cenário é de desproteção social vivenciado por elas e suas famílias, percebendo as dificuldades e limitações de agir para ajudar na composição do sustento, quadro que melhora com o surgimento das ações de assistência por parte dos governos ou mesmo da sociedade civil. O efeito sobre a educação é amplamente apontado, tendo em vista as limitações de estudar em casa, pela falta de internet, de materiais, de equipamentos de informática, rotinas e condições espaciais, sociais e culturais.

O Informe de Direitos Humanos é uma iniciativa do Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza, através da Escola Popular de Educação em Direitos Humanos. Com 48 páginas, o Nº 2 do INFORME DH traz textos de 3 autores. O trabalho foi coordenado por Caio Feitosa, associado do CDVHS, e Eduardo Machado, professor da UNILAB.

O Nº 3 sairá em breve.

SALA DE SITUAÇÃO DA SEGURANÇA PÚBLICA

Através da metodologia da Sala de Situação, o Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza monitora mês a mês, as ocorrências de homicídios nos 5 bairros do Grande Bom Jardim, ou seja, Bom Jardim, Canindezinho, Granja Lisboa, Granja Portugal e Siqueira.

A partir dos dados oficiais da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança - CIOPS, o levantamento já soma 931 homicídios, de janeiro de 2015 a junho de 2020, nos bairros do Grande Bom Jardim. De janeiro a junho de 2020, o Grande Bom Jardim registrou 92 homicídios. Em 2019, nesse mesmo período foram 59 vítimas.

LIVE MARCA LANÇAMENTO DO INFORME

Para marcar o lançamento do segundo número do INFORME DH foi realizada uma live no Facebook do CDVHS nesta terça, 15 de dezembro, às 18h30, com a participação da assistente social Ingrid Rabelo, assessora de juventudes do CDVHS, do professor Luiz Fábio S. Paiva, pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) da Universidade Federal do Ceara (UFC), de Caio Feitosa, sociólogo, associado do CDVHS e um dos autores do Informe, sob a mediação de Joice Luz, assistente social do Espaço Geração Cidadã, integrante da Rede DLIS do Grande Bom Jardim e mãe do Pedro.

FICHA TÉCNICA

VIOLAÇÕES DE DIREITOS NO CONTEXTO DA PANDEMIA DA COVID-19 NA PERIFERIA DE FORTALEZA – O CASO DO GRANDE BOM JARDIM (Nº 2)

ORGANIZAÇÃO:

AUTORES:

PROJETO GRÁFICO:

Baixe o informe aqui